Pages

26 de jun de 2010

Lágrimas na areia...

Sentado solitário na areia do mar
contemplando o infinito tentando te enxergar
desenhava na areia tua imagem apenas com o céu a testemunhar
lutando com as ondas, agitadas, que queriam te apagar
e qual amante apaixonado defendendo sua amada
como soldado destemido lutando pela pátria amada 
mas derrotado fui pelas ondas que tua imagem levaram
deixando meu pensamento como uma estrela cadente 
no universo perdida, solitária a vagar...
onde estava a dama da noite, o brilho do olhar,
cadê a esperança do aflito, onde está a razão para amar
cadê a força do forte que cai sem nem mesmo lutar
onde está a paixão do amante, a bússola do navegante?
como um barco a deriva solapado pelas ondas a vagar
como um náufrago que implora um pouco de ar
sem você estou perdido na imensidão desse mar...
sem você sou fonte sem água, coração sem palpitar
sou como uma criança perdida que os pais tenta encontrar
bate um desespero alucinante quando te procuro e você não está
meu mundo perde o sentido, o homem torna-se menino
que não chorava e passa a chorar que sonhava e deixa de sonhar
sem você fico sem rumo, qual pássaro ferido, sem asas para voar...
como um rei descoroado levado sou pela incerteza da vida
sem você sou como essa onda do mar que insiste a areia cruzar
mas volta ao mar para recuperar a força perdida e assim
como a imagem na areia, que levada foi pelas ondas deixando-me só 
olhando e derramando minhas lágrimas na areia sem acreditar
como um cego que em sua escuridão tateia, como um recém nascido faminto
que procura o peito, revirei-me em meu leito, te procurei e te encontrei
caso contrário não queria acordar...
por isso pedi ao sol que não mais brilhasse, ao vento que não soprasse
pedi ao mar que não mais se agitasse, às borboletas que não voassem
pedi aos pássaros que não cantassem, ao tempo, que se pudesse, parasse
não queria que nada me atrapalhasse pois pedi a Deus que você voltasse
e que deste sonho me despertasse e dessa solidão me libertasse
da angústia me livrasse e que lágrimas iguais aquela na areia
nunca mais eu chorasse e que você nem em sonho me deixasse
e que sonhos como esse, nunca mais eu sonhasse..

0 comentários:

Postar um comentário