Pages

22 de dez de 2009


"Chovem duas chuvas"


Chovem duas chuvas:
de água e de jasmins
por estes jardins
de flores e de nuvens.

Sobem dois perfumes
por estes jardins:
de terra e jasmins,
de flores e chuvas.

E os jasmins são chuvas
e as chuvas, jasmins,
por estes jardins
de perfume e nuvens


Autor: Cecília Meirele

21 de dez de 2009

A Menina Loira com Olhos Verdes :


A menina loira com olhos verdes
Não a consigo ver nem uma vez
Anda por aqui e por ai
A tentar fugir de mim

O que eu fiz de mal?
Apenas a sua beleza quero deslumbrar
E só de vela sorrir
Já fico todo feliz

Quando passa um dia sem a ver
Fico triste e nem se o que fazer,
Vasculho nas minhas memórias
As suas belas histórias

Vivo na esperança
De pude-lha encontrar
E apenas quero-lhe contar
Que é a menina que me faz sonhar.

18 de dez de 2009

O PALCO DA VIDA:


Assim que nascemos, choramos, por nos ver neste imenso palco de loucos” [Shakespeare]
É! Talvez a loucura desse mundo invada nossas almas, nos tornamos insanos por estar neste palco, e hoje, quando adultos, paramos para analisar o que se passa nele, novamente choramos... Choramos como crianças... Choramos por ver tanta falta de amor, tanta gente indecente, que só pensa com a mente e aposenta o coração...
Mas nesse palco também temos motivos para sorrir, pois nele encontramos pessoas que lutam contra a tradição e resolvem dar à vida uma nova razão... Esquecem a mente, e abrem o coração...
Você é uma dessas pessoas... Entrou no meu palco dando à minha vida uma nova razão... um motivo a mais de ser feliz... e, ao seu lado, assim o sou...
Só quero dizer que te amo, e nada menos...
Dizer que meu palco está ativo porque nele você vive!
Obrigada por querer fazer parte dos protagonistas da minha história! Nayara Ramos

13 de dez de 2009

O PERDÃO:




In:O Mercador de Veneza

5 de dez de 2009

O POTE RACHADO:

         
    
                           Conto Popular Hindu


    Um carregador de água na Índia levava dois potes grandes, ambos pendurados em cada ponta de uma vara a qual ele carregava atravessada em seu pescoço. Um dos potes tinha uma rachadura, enquanto o outro era perfeito e sempre chegava cheio de água no fim da longa jornada entre o poço e a casa do chefe; o pote rachado chegava apenas pela metade.

    Foi assim por dois anos, diariamente, o carregador entregando um pote e meio de água na casa de seu chefe.
    Claro, o pote perfeito estava orgulhoso de suas realizações. Porém, o pote rachado estava envergonhado de sua imperfeição, e sentindo-se miserável por ser capaz de realizar apenas a metade do que ele havia sido designado a fazer.

    Após perceber que por dois anos havia sido uma falha amarga, o pote falou para o homem um dia à beira do poço.
    - "Estou envergonhado, e quero pedir-lhe desculpas."
    - "Por quê?" Perguntou o homem. - "De que você está envergonhado?"
    - "Nesses dois anos eu fui capaz de entregar apenas a metade da minha
carga, porque essa rachadura no meu lado faz com que a água vaze por todo o
caminho da casa de seu senhor.
    Por causa do meu defeito, você tem que fazer todo esse trabalho, e não ganha o salário completo dos seus esforços," disse o pote.

    O homem ficou triste pela situação do velho pote, e com compaixão falou:

    - "Quando retornarmos para a casa de meu senhor, quero que percebas as flores ao longo do caminho."

    De fato, à medida que eles subiam a montanha, o velho pote rachado notou flores selvagens ao lado do caminho, e isto lhe deu certo ânimo. Mas ao fim da estrada, o pote ainda se sentia mal porque tinha vazado a metade, e de novo pediu desculpas ao homem por sua falha. Disse o homem ao pote:
    - "Você notou que pelo caminho só havia flores no seu lado. Eu ao conhecer o seu defeito, tirei vantagem dele. E lancei sementes de flores no seu lado do caminho, e cada dia enquanto voltávamos do poço, você as regava.
    Por dois anos eu pude colher flores para ornamentar a mesa de meu senhor.
    Sem você ser do jeito que você é, ele não poderia ter esta beleza para dar graça à sua casa."

    Cada um de nós temos nossos próprios e únicos defeitos. Todos nós somos potes rachados. Porém, se permitirmos, o Senhor vai usar estes nossos defeitos para embelezar a mesa de Seu Pai. Na grandiosa economia de Deus, nada se perde. Nunca deveríamos ter medo dos nossos defeitos. Se o reconhecermos, eles poderão causar beleza. Das nossas fraquezas, podemos tirar forças.

SE ? :



Se és capaz de manter a tua calma quando todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa;
De crer em ti quando estão todos duvidando, e para esses no entanto achar uma desculpa;
Se és capaz de esperar sem te desesperares, ou enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares, e não parecer bom demais, nem pretensioso;
Se és capaz de pensar - sem que a isso só te atires;
De sonhar - sem fazer dos sonhos teus senhores;
Se encontrando a desgraça e o triunfo, conseguires tratar da mesma forma a esses dois impostores;
Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas em armadilhas as verdades que disseste,
E as coisas, porque deste a vida, estraçalhadas, e refazê-las com o bem pouco que te reste;
Se és capaz de arriscar numa única parada tudo o quanto ganhaste em toda a tua vida,
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada, resignado, tornar ao ponto de partida;
De forçar coração, nervos, músculos, tudo a dar seja o que for que neles ainda existe,
E a persistir assim quando, exaustos, contudo resta a VONTADE em ti que ainda ordena: "Persiste!"
Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes e entre Reis, não perder a naturalidade,
E de amigos, quer bons, quer maus, te defendereres, se a todos pode ser de alguma utilidade;
E se és capaz de dar, segundo por segundo, ao minuto fatal que todo o valor e brilho,
Tua é a Terra com tudo o que existe no mundo. E - o que mais - tu serás um Homem, óh meu filho.
Rudyard Kipling

DEVANEIOS:



Que força é esta que me arrasta e me leva a buscar e trazer à mente lembranças de um tempo vivido!
Lembranças de um amor que eu pressupunha esquecido! Lembranças de você... de histórias passadas.
No meu devaneio, chego quase a te tocar, te vejo sorrindo a me olhar, te sinto me amando.
Apaixonada que eu era ,em ti neste momento tento encontrar o conforto num beijo, o prazer no toque das mãos.
Deitado ao meu lado, rolamos no chão, te ouço cantando a nossa canção:

"Teu corpo, menina, em mim principia o amor, o desejo, te quero, te olho, te beijo. Menina...menina dos olhos de luz que pra mim irradiam ternura e paz!"

Ah... ! Esta nossa canção, aquele verão,como tudo foi bom! Nossos corpos tremiam, gritavam mais alto que tudo; os olhos brilhavam, a paixão que envolvia ao amor conduzia o abraço apertado.
Retomo a razão, o medo me invade.... te olho assustada, mas te quero te beijo, te empurro e novamente me agarro em tuas mãos e me deixo levar pelo amor sem razão, apenas... emoção.
São somente lembranças daquele verão, dos nossos ternos momentos de grande paixão.
Me perco em meu mundo e novamente te vejo, te beijo, ficar junto a ti ainda desejo.
E aquela canção?

"Tens a beleza e a graça da rosa, este doce momento me imortaliza; teu nome, menina, em mim principia o amor, o desejo. Te olho... te beijo.

Hoje! A graça da rosa já não mais existe, apenas o desejo do amor realizar sufocado no peito ainda quer te buscar.
Os anos passaram e as lembranças ficaram e, em mim, a esperança de ver renascer aquele verão.
Novamente te vejo, te beijo e estendo a mão. Por quê estas lembranças sem permissão inavadem e me roubam a razão!
E assim vou vivendo, nas minhas lembranças... é bom te guardar!


4 de dez de 2009

AS 20 LIÇÕES DE VIDA:



O pensador russo Guerdjef, que no início do século passado já falava em auto-conhecimento e na importância de se saber viver, dizia em sua tese:
"Uma boa vida tem como base o sentido do que queremos para nós em cada momento e daquilo que, realmente, vale como principal".
Assim sendo, ele traçou 20 regras de vida que foram colocadas em destaque no Instituto Francês de Ansiedade e Stress, em Paris.
Dizem, os experts em comportamento, que quem já consegue assimilar 10 delas, com certeza, aprendeu a viver com qualidade interna. Ei-las:
Faça pausas de dez minutos a cada duas horas de trabalho, no máximo. Repita essas pausas na vida diária e pense em você, analisando suas atitudes.
Aprenda a dizer NÃO sem se sentir culpado ou achar que magoou. Querer agradar a todos é um desgaste enorme.
Planeje seu dia, sim, mas deixe sempre um bom espaço para o improviso, consciente de que nem tudo depende de você.
Concentre-se em apenas uma tarefa de cada vez. Por mais ágeis que sejam os seus quadros mentais, você se exaure.
Esqueça, de uma vez por todas, que você é imprescindível. No trabalho, em casa, no grupo habitual. Por mais que isso lhe desagrade, tudo anda sem a sua atuação, a não ser, você mesmo.
Abra mão de ser o responsável pelo prazer de todos. Não é você a fonte dos desejos, o eterno mestre de cerimônias.
Peça ajuda sempre que necessário, tendo o bom senso de pedir às pessoas certas.
Diferencie problemas reais de problemas imaginários e elimine-os porque são pura perda de tempo e ocupam um espaço mental precioso para coisas mais importantes.
Tente descobrir o prazer de fatos cotidianos como dormir, comer, tomar banho, sem também achar que é o máximo a se conseguir na vida.
Evite se envolver na ansiedade e tensão alheias enquanto ansiedade e tensão. Espere um pouco e depois retome o diálogo, a ação.
Família não é você, está junto de você, compõe o seu mundo, mas não é a sua própria identidade.
Entenda que princípios e convicções fechadas podem ser um grande peso, a trave do movimento e da busca.
É preciso ter sempre alguém em que se possa confiar e falar abertamente ao menos num raio de cem quilômetros. Não adianta estar mais longe.
Saiba a hora certa de sair de cena, de retirar-se do palco, de deixar a roda. Nunca perca o sentido da importância sutil de uma saída discreta.
Não queira saber se falaram mal de você e nem se atormente com esse lixo mental; escute o que falaram bem, com reserva analítica, sem qualquer convencimento.
Competir no lazer, no trabalho, na vida a dois, é ótimo... para quem quer ficar esgotado e perder o melhor.
A rigidez é boa na pedra não no homem. A ele cabe firmeza, o que é muito diferente.
Uma hora de intenso prazer substitui com folga 3 horas de sono perdido. O prazer recompõe mais que o sono. Logo, não perca uma oportunidade de divertir-se.
Não abandone suas três grandes e inabaláveis amigas: a intuição, a inocência e a fé.
Entenda de uma vez por todas, definitiva e conclusivamente: você é o que se fizer!


Guerdjef

3 de dez de 2009

A LINGUA DOS HOMENS:




"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor,
seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.
E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres,
e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado,
e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.



O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso;
o amor não se vangloria, não se ensoberbece,
não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses,
não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.



O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas;
havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos;
mas, quando vier o que é perfeito,
então o que é em parte será aniquilado.
Porque agora vemos como por espelho, em enigma,
mas então veremos face a face; agora conheço em parte,
mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.



Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três;
mas o maior destes é o amor."



CONVERSA INTERIOR :






Oi!...Você aí sentado em frente à tela do seu computador!
Espantado?
Não.... não sou uma miragem falando dentro de sua mente com você, não. Aqui na tela você pode pensar que sou, sim, uma ilusão, ainda que virtual, mas na realidade existo no âmago mais profundo de seu ser: Seja você homem, seja você mulher, eu estou sempre presente e louquinha para sair.
Quer saber quem sou EU?

Sou volúpia, sou desejo, sou meiguice sensual. Sou tudo, Sou seu EU, Sou o EU provocador e também conciliador.
Mas...há em você um medo quase fatal que o leva a querer esvanecer-me, conter-me.

No homem, há o anseio de deixar-me livre, de dar asas aos seus desejos sem censura, sem nenhuma educação!
Mas... continua contido e me deixa escondida. Será a tal virilidade que a cruel sociedade impõe e te obriga a esconder-me?

Confudem-se gestos rudes, grosseiros, com masculinidade e assim sua feminilidade vai ficando prisioneira, podendo até gerar uma certa insanidade.

E você pobre mortal! Esconde bem sutilmente sua alma de mulher sensual.

A mulher! Bem mais contida, mas...também mais atrevida ....num rompante improvisa
um olhar provocador! Aí o homem cativo nela me eterniza.
Seu lado fêmea escondido, pode então ser expandido sem sensura social.
A mulher que é mais sensível, vive melhor com seus "EUs"

Almas gêmeas somos nós, o homem é feminino, a mulher é masculina, tão iguais somos nós dois.
Mas perdemos bons momentos por não entender direito esta tal grande fusão.

Talvez fique mesmo confuso nossas almas entenderem, mas é bom começar a pensar que dentro de nós habita uma legião de outros Eus. Masculino, Feminino, Eu criança, Eu adulto, Eu Sensor e também um Eu observador.

São com eles que vivemos e conduzimos a vida. São eles nossos amigos, mas também nossos carrascos.

Selma Barreto do Canto

2 de dez de 2009

HA CERTAS HORAS:


Há certas horas, em que não precisamos de um Amor...
Não precisamos da paixão desmedida...
Não queremos beijo na boca...
E nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama...

Há certas horas, que só queremos a mão no ombro, o abraço apertado ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado...
Sem nada dizer...

Há certas horas, quando sentimos que estamos pra chorar, que desejamos uma presença amiga, a nos ouvir paciente, a brincar com a gente, a nos fazer sorrir...

Alguém que ria de nossas piadas sem graça...
Que ache nossas tristezas as maiores do mundo...
Que nos teça elogios sem fim...
E que apesar de todas essas mentiras úteis, nos seja de uma sinceridade
inquestionável...

Que nos mande calar a boca ou nos evite um gesto impensado...
Alguém que nos possa dizer:

Acho que você está errado, mas estou do seu lado...

Ou alguém que apenas diga:

Sou seu amor! E estou Aqui!
William shakespeare

1 DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DA AIDS ,VAMOS NOS CUIDAR ,AIDS NÃO SE TRANSMITE A TOA ,FAÇA SEXO SEGURO USE CAMISINHAS SEMPRE BJUSS MILL :VALLL


DIA MUNDIAL DE LUTA CONTRA A AIDS:

A brecha infantil
Mirela Xanthaki

Nações Unidas, 01/12/2009, (IPS) - Quase um terço dos bebês nascidos com HIV nos países em desenvolvimento morrem antes de completar um ano, ao contrário da maioria dos portadores desse vírus (causador da aids) no mundo industrializado que podem viver décadas com boa saúde graças a tratamentos medicamentosos cada vez mais efetivos.

Entre os que sobrevivem nos países pobres, metade morrerá antes de completar dois anos, e três quartos não chegarão aos cinco, segundo os últimos dados da Organização das Nações Unidas.

Em um debate sobre crianças com o vírus da deficiência imunológica humana organizado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), como parte das celebrações do 20º aniversario da Convenção sobre os Direitos da Criança, ativistas e especialistas em saúde pública destacaram a necessidade de maior acessibilidade a tratamentos, análises adequadas e cuidados. Mas o informe intitulado “A infância e a aids: Quarto inventário da situação”, que o Unicef apresentou ontem, véspera do Dia Mundial de Combate à Aids, diz que foram conseguidos alguns progressos.

Por exemplo, agora, 45% das mães com HIV recebem tratamento antirretroviral durante a gravidez, contra escassos 10% em 2004. Mas a transmissão de mãe para filho ainda gira em torno dos 80% no mundo em desenvolvimento, enquanto nas nações industrializadas é de 1% a 2%. Entre os passos fundamentais constam exames simples, baratos e imediatos para crianças, mas terapias antirretrovirais para todas as grávidas portadoras do HIV e maiores esforços dos laboratórios e dos governos para encontrar tratamentos mais adequados e acessíveis para crianças e bebês.

Deve-se pressionar as companhias farmacêuticas para adaptarem os medicamentos para que sejam usados por crianças, onde for possível, e baratearem seu custo, afirmam os especialista.s “O tratamento para HIV está disponível apenas desde meados da década de 90, por isso temos apenas 12 ou 13 anos de experiência”, afirmou à IPS Shaffiq Essajee, diretor de operações clínicas e alto assessor em pediatria da Fundação Clinton. “As pessoas com HIV se mantiveram vivas e saudáveis durante esse período. O céu é o limite em relação a quanto tempo pode viver uma criança com HIV se receber tratamento”, ressaltou.

“Os sistemas imunológicos das crianças reagem mais rápida e efetivamente do que os dos adultos aos tratamentos antirretrovirais. O problema é a falta de fórmulas desses remédios baratas, adequadas às crianças, e com tornar isso possível em contextos de recursos limitados”, acrescentou Essajee. Em 2004, o tratamento mais barato custava US$ 600 por criança ao ano. Apenas dois anos depois, o custo caiu para US$ 60. haver remédios mais baratos é uma necessidade, mas isto não bastará para resolver o problema, afirmam os especialistas. “Embora se tenha conseguido a paridade, não podemos dormir sobre os louros”, disse Essajee.

Ainda é preciso desenvolver sistemas precoces e eficientes de análises e diagnostico infantil, explicou o especialista. “Há um enorme problema sistêmico porque estamos perdendo cerca da metade das crianças entre o exame positivo inicial até um processo de tratamento. Um terço das crianças diagnosticadas como soropositivas nunca tem acesso a terapias”, afirmou Essajee. Atualmente, há dois milhões de crianças vivendo com HIV, o que representa cerca de 7% do total mundial. Há pouquíssimos retornos depois de obtidos os resultados, disse Deborah Birx, diretora do Programa Mundial da aids nos Centros para o Controle e a Prevenção de Doenças, dos Estados Unidos. Reverter esta tendência “pode demorar entre um e quatro meses. Muitos pais nem mesmo voltam para buscar os resultados”, acrescentou.

Para o sacerdote Ed Phillips, presidente do Programa de Deanery Oriental para o Alívio da Aids, em Nairóbi, “vão uma vez à clínica, mas não têm dinheiro para comprar outra passagem de ônibus e retornar”. A solução é haver sistemas de diagnostico mais fáceis de manejar e que permitam processar a amostra enquanto os pais esperam, dizem Phillips e outros. Também é preciso aconselhar as mulheres para se conscientizarem da necessidade de fazer exames. “Não podemos ter acesso às crianças se não temos acesso às mães”, disse Birx.

Os exames para HIV e a orientação após o diagnóstico são fundamentais para impedir que as mães transmitam a doença aos filhos. Karen Plater, secretária-adjunta da Igreja Presbiteriana do Canadá, disse à IPS que nos últimos anos foram registradas grandes melhoras nas vidas de muitas pessoas. “Visitei Malawi pela primeira vez em 1997. Nesse momento não havia acesso a antirretrovirais e as pessoas ainda se negavam a aceitar que havia problema em sua comunidade”, contou.

“Quando voltei, em 2001/2002, vi uma considerável diferença. As pessoas tinham mais disposição de falar do tema. Ao aumentar as porcentagens de pessoas infectadas com HIV, todos conheciam alguém (com o vírus), diretamente ou em sua família imediata. Isso fez com que buscassem assessoria e fizessem exames voluntários”, explicou Plater. “Havia uma sensação de esperança. O estigma é menor do que antes, e agora os grupos de apoio a pessoas com HIV implicam indivíduos saudáveis, que trabalham juntos em projetos, hortas, tentando apoiar um ao outro”, ressaltou.

A Aliança Ecumênica de Ação Mundial, uma ampla rede internacional de igrejas e organizações cristãs que cooperam em assuntos de alimentação e HIV/aids, iniciou a Campanha Prescrição para a Vida, onde pediram a crianças de 14 países que escrevessem cartas a executivos de companhias farmacêuticas e funcionários governamentais exigindo ação. Uma exibição de extratos de seus pedidos acontece na sede da ONU, em Nova York, até sexta-feira.

Eric Sawyer, assessor do Programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Onusida) e fundador das entidades Act up New York e Housing Works, que vive com HIV há quase 30 anos, disse na abertura: “É justiça moral eu poder comprar quase três décadas de vida e inclusive mais porque tenho acesso às últimas medicações apenas estas estejam desenvolvidas? Não creio que seja moral. Não creio que seja justo, não creio que seja correto. Todos devem poder comprar a vida, como eu faço”, afirmou.AMIGOS E AMIGAS QUE FREQUENTAM MEUS BLOGS CUIDEM-SE SE PROTEJAM SEMPRE FAZER AMOR /E OU SEXO É BOM ,GOSTOSO E NOS DA TEZÃO MAS  UM PRESENTE COMO A AIDS DEPOIS É RUIM VIU? ENTÃO EM QUALQUER QUE SEJA AS CIRCUNSTANCIAS USEM A  BORRACHINHA , OPS KKKKK USEM A CAMISINHA OK? BJUSS MILL VALL/AVÍÃO

VAMOS FALAR DE COISAS SERIAS HJ , A AIDS ,VC SE PROTEGE? SE NÃO SE CUIDEM VIU? FAÇA AMOR ,FAÇA SEXO MAS DE MODO SEGURO :VALL


Notícias


Dia Mundial contra Aids combatendo o preconceito e celebrando as duas décadas de resposta à doença - 1/12/2003


Programa Nacional de DST e Aids

Hoje, 1º de dezembro, é o Dia Mundial de Luta Contra a Aids. Para celebrar data e também comemorar os 20 anos da resposta brasileira à epidemia, o Ministério da Saúde estende uma grande “colcha da solidariedade”, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. É uma forma simbólica de combater o preconceito contra os portadores do vírus HIV e de lembrar às vítimas que a doença já fez no país.
A colcha foi confeccionada por estudantes dos ensinos médio e fundamental que participaram de discussões sobre a importância da solidariedade às vítimas da doença. Cinqüenta e quatro escolas de todos os estados brasileiros e o Distrito Federal, além de organizações não-governamentais (ONGs), receberam um kit do Programa Nacional de DST/Aids com uma parte da colcha. Foram produzidos seis mil metros quadrados de mensagens de solidariedade às 135 mil pessoas vivendo com aids no Brasil.
Cerca de 300 estudantes estarão presentes à solenidade, pintando espaços vazios da colcha, ao som do Hino da Solidariedade, composto pelo músico mineiro Wagner Tiso, com letra da poeta e atriz carioca Elisa Lucinda. O hino foi criado a pedido da Organização Não-Governamental Ação e Cidadania, do Rio de Janeiro, para reforçar a urgência da luta contra a Aids nos países africanos. A gravação do hino reuniu vozes dos cantores mais populares dos cinco países de língua portuguesa: Angola, Moçambique, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde.
O Brasil está celebrando também 20 anos de resposta à epidemia. A data será lembrada com o lançamento de um selo pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Para encerrar a solenidade, a Escola de Samba Grande Rio vai apresentar ao público o samba-enredo do Carnaval 2004 “Vamos vestir a camisinha, meu amor”. O samba defende o uso da camisinha como a forma mais eficaz de prevenção à Aids e será cantado pelo diretor da escola, o carnavalesco Joãosinho Trinta, mais cinco ritmistas, mestre-sala e porta-bandeira.
História – O primeiro caso brasileiro de Aids foi notificado em 1983. Nesse mesmo ano, começou a mobilização nacional para o enfrentamento da epidemia, com a união de forças entre o governo e a sociedade civil. A primeira ação foi em São Paulo, com a criação da Coordenação Estadual de DST/Aids pelo governo estadual e a mobilização de ativistas ONGs de pessoas vivendo com o HIV.
Além de relembrar essa trajetória, as atividades do Dia Mundial também vão servir como reflexão. Apesar de ser motivo para reconhecer os avanços do Brasil nessa área, é necessário pensar nos desafios do futuro, já que a epidemia permanece como um importante problema de saúde pública.
Os 20 anos de resposta brasileira à luta contra a Aids fez do país uma referência mundial. Os óbitos foram reduzidos em mais de 50%; a epidemia está estabilizada, com tendência à queda desde o ano de 2000; todos os doentes têm acesso universal e gratuito ao tratamento e aos exames; e a estimativa do Banco Mundial de que, no ano 2000, o Brasil teria 1,2 milhão de infectados não se confirmou. O país virou o século com uma estimativa de 600 mil pessoas com o HIV, ou 0,5% da população. Isso mostra o sucesso dos programas preventivos e educativos, que levam o país a um dos mais altos índices de uso do preservativo no mundo: 58% nas primeiras relações sexuais.
Dia Mundial – O Dia Mundial de Luta contra a Aids foi criado em 1988, durante Encontro Mundial de ministros de Saúde, em Londres, com a participação de 140 países. Objetivo da data é mobilizar governos, sociedade civil, portadores do HIV e outros segmentos da população para uma reflexão sobre a epidemia. A data simboliza, também, a  solidariedade entre as pessoas e a luta contra o estigma e a discriminação.