Pages

26 de mar de 2011

QUE AMOR É ESSE . . /DEA



QUE AMOR É ESSE . . .


Que não se estranha...
Entra e assanha...
Penetra...E entranha...
Que me pega
...E ganha.


Que perco o juízo...
Ao ver o teu sorriso...
De ti...Eu tanto preciso...
Sem licença...Nem aviso.


Que pecado alucinante.
Ao te ter...Meu amante.
Sob o meu corpo... É excitante
Desfrutando cada instante.


Que mexe com a mente...
O que sinto...Você sente...
Neste tesão...Deixo-te contente...
Numa letargia bem evidente.


Que me levas com jeito...
Quando deitas em meu peito...
Entre os lençóis...Em nosso leito...
Tudo acontece...Fica perfeito.


Que desejo tão bendito...
O meu sonho mais bonito...
Por ti...Eu berro...Eu grito...
Eu já tinha te dito?


Que não tem explicação...
Algumas vezes sim...Outras não...
Diga amor...Por favor, então...
Porque é teu...Meu coração.


MENINA MALUKINHA
(Valéria Gail)

NEM MIL PALAVRAS/DEA

NEM MIL PALAVRAS



NEM MIL PALAVRAS


Sente amor, Sente!

Todo o meu corpo Incandescente

Em um desejo latente

Que brota de dentro da gente

Entre nós, Realmente!

Tudo fica muito quente!

O teu corpo querendo o meu

Indecentemente!

Neste tesão que vem

Como lavas efervescentes

E explode numa paixão demente

E me sinto...

Totalmente...

Perdida...mente

Contente!

De você?

Sempre estou carente...

O meu coração não mente

O teu amor ele pressente

E neste ardor insistente

Fico maluka completamente...

Nem mil palavras eloquentes

Descreveriam uma sensação tão evidente

E mais que de repente...

Nossos corpos sofregamente...

Num despudor inconsequente

Entregam-se loucamente

Mergulhas em mim insanamente...

Beijas a minha boca até ela ficar dormente...

E um gozo pleno juntamente

Nos saciamos deliciosamente

Por mais que a gente tente

Nossos olhares inocentes...

Frente a frente...

Começa tudo novamente...


MENINA MALUKINHA

NEM MIL PALAVRAS/DEA

NEM MIL PALAVRAS



NEM MIL PALAVRAS


Sente amor, Sente!

Todo o meu corpo Incandescente

Em um desejo latente

Que brota de dentro da gente

Entre nós, Realmente!

Tudo fica muito quente!

O teu corpo querendo o meu

Indecentemente!

Neste tesão que vem

Como lavas efervescentes

E explode numa paixão demente

E me sinto...

Totalmente...

Perdida...mente

Contente!

De você?

Sempre estou carente...

O meu coração não mente

O teu amor ele pressente

E neste ardor insistente

Fico maluka completamente...

Nem mil palavras eloquentes

Descreveriam uma sensação tão evidente

E mais que de repente...

Nossos corpos sofregamente...

Num despudor inconsequente

Entregam-se loucamente

Mergulhas em mim insanamente...

Beijas a minha boca até ela ficar dormente...

E um gozo pleno juntamente

Nos saciamos deliciosamente

Por mais que a gente tente

Nossos olhares inocentes...

Frente a frente...

Começa tudo novamente...


MENINA MALUKINHA

AMAR É . . ./DEA




AMAR É . . .


AMAR É SIMPLISMENTE
PENSAR EM VOCÊ TÃO ALTO
AO PONTO DE VOCÊ ME OUVIR
É SONHAR ACORDADO
É ALIMENTAR MINHA ILUSÃO
NUMA PONTA DE ESPERANÇA
É PERDOAR E PEDIR PERDÃO
É RIR E CHORAR
É ENCONTRAR-NOS
NOS PRÓPRIOS ERROS
UMA QUALIDADE
É DEIXAR ACONTECER
É FAZER ACONTECER
É ESTAR FELIZ
COM A FELICIDADE DE ALGUÉM
SEM EGOÍSMO, SEM COBRANÇAS
AMAR É ACEITAR SEM COBRAR
NADA EM TROCA
É GRITAR QUE AMA SEM COVARDIA
OU MEDO DE ALGUÉM
SEM PRECONCEITOS
É TENTAR SER FELIZ
AMAR É CALAR E DEIXAR O AMOR FALAR
ATRAVÉS DO SILÊNCIO
É ACHAR QUE ESSE AMOR TEM UM POR QUE
É QUE UM DIA ESTAREMOS
JUNTOS EM ALGUM LUGAR
AMAR É DEIXAR ESSE FALAR POR MIM
FALAR MAIS ALTO,
MESMO QUE FALE ERRADO
MAS FALAR DE AMOR
PORQUE É ASSIM QUE EU TE VEJO
UM AMOR INFINITO...
AMAR É TE QUERER
COM MEDO DE TE PERDER UM DIA
É TER A CERTEZA QUE SEM VOCÊ
NÃO SABEREI VIVER,
POIS NUNCA QUERO TE PERDER.
AMAR É TE QUERER...


FÁBIO MOREIRA

Paulistana de verão /DEA



Paulistana de verão

branca
segura a saia
surpreendente e mínima
como quem não
se sabe mostrar

no calor
desacostumada
insegura
atravessa a rua
revela-se quase
sem querer

beleza ZL
descolada
fingida pedra
desce da penha
retrô querendo-se moderna

o vento
leva-lhe a quase
saia
e vê-se a jóia
surpresa lapidada

que desaparece na boca quente
do metrô ,

    Ela era linda e loira
    e me visitava às tardes.
    Fumava maconha
    contra a minha vontade.

    E eu, careta,
    chapava.

    Era só larica,
    na sua malícia,
    irracional
    idade.

DESFILE/DEA

Desfile

Fique à vontade!

Garotas em fila
oferecendo massagem.

Passam corpos
em desfile lento.
Umas são seios
outras molejo.
Umas são pernas
outras desprezo.

Expostas em série,
se pensam miragens:
são peixes na areia,
sereias de passagem.

Jeans /DEA

Jeans
    A carne forçada
    sob a calça jeans
    quase explode
    querendo sair.

    O tecido vibra
    fibra a fibra
    trêmula grade
    implodido jardim.

    Enquanto a carne
    flora pura
    implora em si.

DO ALTO DA SERRA/DEA



Do alto da serra
Eu te vi chegar
Junto ao cheiro da terra
Senti meu coração acelerar.

Num lindo chalezinho
Ficamos a nos beijar
Com você bem juntinho
E a lareira a crepitar.

Que doce sedução meu amor
E que calor eu sinto
Nossos corpos em um fervor
Misturados ao vinho tinto.

Entre sussurros e gemidos
Nos entregamos a esta paixão
E num gozo bem definido
Culminamos em nossa explosão.


MENINA MALUKINHA
(Valéria Gail)

GOSTAVA DE NAVEGAR/DEA

Gostava de os navegar e sentir-me realmente tua, mesmo não o sendo. Gostava de substituir a pequena brisa que circula no meu corpo, por ti. Gostava de ser apenas tua, em pensamento e em desejo, e sentir-te navegar meu corpo e criar riachos ainda maiores, em todas as zonas, onde o teu prazer me mata. Gostava de me dar a ti, de me dar a ti num jogo de loucura onde só o prazer tem palavra. Onde só o prazer reina e onde só os teus gestos me fazem gemer. Quero ser tua. Não sendo tua não sou mulher. Torna-me tua. Têm-me como tua e faz-me enlouquecer.

o que é a sensualidade num mundo sem paixão/DEA

que é a sensualidade num mundo sem paixão
O que é o sexo, se não for praticado com o coração
O que é o amor se não existir ninguém para amar
O que é um coração se não existir o vermelho para o pintar
Hoje em dia o amor, é banalizado
Porque foram esquecidas as essências onde foi criado
Sensualidade com amor, mostra paixão
Sensualidade sem amor, é sinônimo de prostituição
É assim que vive toda esta geração
Mentes entupidas com conhecimento corrompido da televisão
Não sou missionário, embora tenha uma missão
Ajudar esta nação, a agir pelo coração
Evitar a confusão e aprender a amar
Sensualidade do amor, é o que nos faz respirar

INSTANTES/DEA


Vivo um efeito borboleta, minha vida é uma recordação
Vejo flashes mentais, tira-teimas da televisão
Não sou reflexo de nada, sou com um fantasma perdido
Para muitos sou a morte, para outros sou o sentido
Quando te vejo, leve, vindo até mim despercebida
Sei que és tu, tu que quero para me completar nesta vida
Deitado no meu mundo, só te sinto, com o vento a passar
Passas diante a mim, e só eu tenho capacidade de te parar
Por entre os lençóis, sinto teu corpo transpirar
Sinto teus pêlos, levantar, sinto meu corpo vacilar
Não tenho reacção, agora és tu a controlar
És tu que me agarras, quando eu tento respirar
Quando me beijas, eu procuro te beijar novamente
Descobrindo nos teus lábios, o amor de muita gente
Desço em teu pescoço, sinto todo o teu arrepio
Algo tão forte que abala qualquer gemido, fica sem pio
Desço mais um pouco, o desejo transforma-se em sedução
Conjugada com amor, no sexo mostra a sua ascensão
Tocas meu corpo, bem forte preparado só para ti
Horas gastas em ginásio, esperando que olhes para mim
O calor espalha o suor, o ambiente traz o amor
Corpo mexe no movimento, trocando sangue por vapor
Oiço teu gemido, que me dá forças para continuar
Toco o teu céu, que sempre anseei por visitar
Apogeu do prazer, chegou o momento da união
Ambos subimos ao céu, é o prazer na sua conjunção
Nunca senti algo tão puro, ou algo tão especial
Fico contente por saber que sou o escolhido e o tal
De seguida, sinto teu corpo no meu, desvanecer
Não sei que se passa, apenas rezo para não te perder
Já não consigo te agarrar, agora voas com o vento
Quem me dera te guardar, mas falta-me o alento
De manhã acordo, em mais um dia cinzento
Vejo tudo ao meu redor, juntando o que invento
Sonhador, nada do que vivi foi realidade
Ou será que foi? Não sei, mas fica a saudade

HOJE ACORDEI COM UMA SEDE DO TEU CORPO/DEA


Hoje acordei, com uma sede insaciável
Não de água, mas de ti e do teu corpo
Preciso,
Necessito,
Que me rasgues a pele, ou que me toques suave,
Preciso,
Que beijes meus lábios, num novo encontro,
Preciso,
Ver teus olhos brilhar, piscar e reluzir
Ver de novo, esse sorriso, que amo, e me faz sorrir

Por isso vem, pois eu sinto-te a cada momento,
Não precisas de fazer loucuras, sê apenas minha no momento
Eu e tu, princesa e príncipe, sem castelo encantado
Juntos num sonho, que lutamos para se manter na realidade
Lutarei,
Lutarás,
E só assim poderemos vencer,
Porque um amor assim, é perfeito demais, para morrer.