Pages

28 de out de 2010


Cegueira das Paixões
As paixões do coração humano, como as divide e numera Aristóteles, são onze; mas, todas elas se reduzem a duas capitais, amor e ódio. E estes dois afetos cegos são os dois pólos em que se resolve o mundo, por isso tão mal governado.
Eles são os que pesam os merecimentos; eles os que qualificam as ações;eles os que avaliam as prendas; eles os que repartem as fortunas.
Eles são os que enfeitam ou decompõem; eles os que fazem ou aniquilam; eles os que pintam ou despintam os objetos, dando e tirando a seu arbítrio, a cor, a medida e ainda o mesmo ser e substância, sem outra distinção ou juízo que aborrecer ou amar.
Se os olhos vêem com amor, o corvo é branco; se, com ódio, o cisne é negro. Se, com amor, o demónio é formoso; se, com ódio, o anjo é feio. Se, com amor, o pigmeu é gigante; se, com ódio, o gigante é pigmeu. Se, com amor, o que não é tem de ser; se, com ódio, o que tem de ser e é bem que seja, não é nem será jamais.
Por isso, se vêem, com perpétuo clamor de justiça, os indignos levantados e as dignidades abatidas; os talentos ociosos e as incapacidades com mando; a ignorância graduada e a ciência sem honra; a fraqueza com bastão e o valor posto a um canto; o vício sobre os altares e a virtude sem culto; os milagres acusados e os milagrosos réus.
Pode haver maior violência da razão? Pode haver maior escândalo da natureza? Pode haver maior perdição da república?
Pois tudo isso é o que faz e desfaz a paixão dos olhos humanos: cegos, quando se fecham e cegos, quando se abrem; cegos, quando amam, e cegos,quando aborrecem; cegos, quando aprovam, e cegos, quando condenam; cegos, quando não vêem e, quando vêem, muito mais cegos ".
Pe. Antonio Vieira


COMO UMA AVE TOMBADA:



Uma ave molhada,
trêmula,
ao relento,
é uma ave;
nasceu para voar.
Uma pérola enterrada
é uma pérola;
nasceu para brilhar.
Uma flor despetalada
pela violência da tempestade,
continua sendo flor.
Um poema abandonado ou esquecido
pela insensibilidade humana,
será sempre um poema.
Assim também a alma;
mesmo vestida de chagas,
é centelha divina
que ama e precisa ser amada.
(O Mundo de Francisco de Assis) 
 Ariston Teles
 


COM CARINHO PRA VC:

Quantos sonhos,
Quantos projetos,
Quantas realizações...
Tantos motivos para se alegrar,
Tantos motivos para se encantar,
Tantos motivos para sorrir.
Todo novo dia é um grande dia,
Mais um motivo para comemorar.
Você merece. Seja bastante feliz.:DÉA

COMO SE MEDE ALGUEM????



Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento.
Ela é enorme para você quando fala do que leu e viveu, quando trata você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravado. 
É pequena para você quando só pensa em si mesma, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente no momento em que teria que demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade verdadeira.. 
Uma pessoa é gigante para você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento, quando sonha junto. 
É pequena quando desvia do assunto.
Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma.
Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês.
Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas: será ela que mudou ou será que o amor é traiçoeiro nas suas medições? 
Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande.
Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser infinito.
É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos.
Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações.
Uma pessoa é única ao estender a mão, e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma.
O egoísmo unifica os insignificantes.
Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande.
É a sua sensibilidade sem tamanho.: DÉA