Pages

15 de jun de 2011

Do leve despertar ao vulgar orgasmo...../DEA


Do leve despertar ao vulgar orgasmo Quente o corpo que acorda à noite Os lábios sussurram nos ouvidos o germinar do tesão O despertar da mulher sendo desejada A pele ouriçada pelo passeio suave da mão Um beijo meigo no ombro revela o caminho ao pescoço Quadris se movem em busca de um contato mais intimo Seios com mamilos enrijecidos por caricias As costas delimitadas pela língua Pequenas mordidas e beijos nas nádegas Os dedos suavemente descobrem o calor da vulva O pequeno orvalho que brota do interior da vagina Suor frio nas coxas e dedos contorcidos Sem embaraço a boca toca os pés beijando-o O pênis cada vez mais rijo deixa transparecer o pequeno fluido Gemidos tímidos, tesão crescente... O contínuo passeio inflamado da língua pelo corpo Clitóris, pequenos e grandes lábios massageados Homem e mulher extasiados Frente a frente olhos se encontram As bocas se tocam querendo extorquindo as línguas Entre beijos a sede de mamar no seio O sono desaparecido A doçura transformada em devassidão As palavras se tornam vulgares pelo fogo que envolve os corpos O roçar do endurecido membro no grelo Cabelos puxados, pescoço chupado e marcado A nua vagina totalmente molhada penetrada vorazmente Leves tapas, beliscadas, arranhões, palavrões Temporariamente a mulher torna-se vadia Quer tudo dentro de sua buceta Deseja-o forte e implora pelo gozo com gritos Preenchida com sêmen o orgasmo chega As mãos agarradas na bunda no macho Quer o manter ali inerte completando-a Uma pequena vergonha toma conta daquela mulher Sente-se indecente, mas amada, possuída e desejada...

(D.A)

Escrito por Zingara

0 comentários:

Postar um comentário