Pages

30 de out de 2009

EU E MINHAS DORES DO CORAÇÃO:

ATÉ SEMPRE, COM AMOR

Dor oculta


Quando uma nuvem nômade distila
gotas, roçando a crista azul da serra,
umas brincam na relva; outras, tranqüilas,
serenamente entranham-se na terra.

E a gente fala da gotinha que erra
de folha em folha e, trêmula, cintila,
mas nem se lembra da que o solo encerra,
da que ficou no coração da argila.

Quanta gente, que zomba do desgosto
mudo, da angústia que não molha o rosto
e que não tomba, em gotas, pelo chão,

havia de chorar, se adivinhasse
que há lágrimas que correm pela face

ATÉ SEMPRE, COM AMOR

À dor reajo sempre com amor
E será assim até ao fim do mundo;
Será assim na ventura e na desgraça
O eco com fulgor dentro da taça...

Porque erigi a taça como senda
Do percurso sonoro corrigido,
Ornado no bordado da palavra:
Mito do que foi lido nesta lavra.

Cheguei onde reajo com um intento:
O de dar tudo o que me foi doado
No sonho lento em que ele foi formado

E em que tudo se forma com Beleza
O gesto borboleta, talvez g(i)esta
Ou brinde à mesa na taça duma festa.

0 comentários:

Postar um comentário