Pages

30 de jun de 2010

Eu tenho uma espécie de dever, de dever de sonhar, de sonhar sempre, pois sendo mais do que uma espectadora de mim mesma, eu tenho que ter o melhor espetáculo que posso. E assim me construo a ouro e sedas, em salas supostas, invento palco, cenário, para viver o meu sonho entre luzes brandas e músicas invisíveis. (Fernando Pessoa) Sonhar mais um sonho impossível Lutar quando é fácil ceder Vencer o inimigo invencível Negar quando a regra é vender Sofrer a tortura implacável Romper a incabível prisão Voar num limite provável Tocar o inacessível chão É minha lei, é minha questão Virar este mundo, cravar este chão Não me importa saber Se é terrível demais Quantas guerras terei que vencer Por um pouco de paz E amanhã se este chão que eu beijei For meu leito e perdão Vou saber que valeu Delirar e morrer de paixão E assim, seja lá como for Vai ter fim a infinita aflição E o mundo vai ver uma flor Brotar do impossível chão E eu só me recordo de uma frase que li há muito tempo atrás, que dizia “O impossível só dura o tempo de ser realizado.” Então, busque seus sonhos. Estabilização não deve ser confundida com monotonia e pura repetição. Afinal, você quer viver ou apenas durar? Para um instante e reflita: quando foi a última vez que você fez alguma coisa pela primeira vez?

0 comentários:

Postar um comentário