Pages

14 de jun de 2010

SOCIEDADE DE PESSOAS EGOISTAS E MALEAVEIS . SE DIZEM E SE ACHAM AS CERTINHAS E AS CORRETAS SERA MESMO? SERA QUE TDS SOMOS CERTOS? SOMOS JUIZES DE NÓS MESMOS E TAMBEM SOMOS JUIZES DAS PESSOAS? AS QUAIS JULGAMOS/CONDENAMOS E SEM DIREITOS DE DEFESA? QUEM SE DIZ UM JUIS PARA JULGAR, EXECUTAR /E MANDAR MATAR OU PRENDER ALGUEM DEVERIA ANTES ANALIZAR SUAS PROPRIAS QUALIDADES E AÇÕES . NÃO JULGAR NINGUEM E DAR O VEREDICTO SE ACHANDO UM ,DEUS POIS MESMO DEUS NÃO JULGA A NINGUEM DEUS É AMOR ,É PERDÃO ,ÉAMIZADE.ELE NOS DEU SEU FILHO EM PRÓVA DISTO TUDO QUE FALEI AQUI PRECISO DIZER ALGO MAIS? :DÉA




A Sociedade é um Sistema de Egoísmos Maleáveis
A sociedade é um sistema de egoísmos maleáveis, de concorrências intermitentes. Como homem é, ao mesmo tempo, um ente individual e um ente social. Como indivíduo, distingue-se de todos os outros homens; e, porque se distingue, opõe-se-lhes. Como sociável, parece-se com todos os outros homens; e, porque se parece, agrega-se-lhes. A vida social do homem divide-se, pois, em duas partes: uma parte individual, em que é concorrente dos outros, e tem que estar na defensiva e na ofensiva perante eles; e uma parte social, em que é semelhante dos outros, e tem tão-somente que ser-lhes útil e agradável. Para estar na defensiva ou na ofensiva, tem ele que ver claramente o que os outros realmente são e o que realmente fazem, e não o que deveriam ser ou o que seria bom que fizessem. Para lhes ser útil ou agradável, tem que consultar simplesmente a sua mera natureza de homens.
A exacerbação, em qualquer homem, de um ou o outro destes elementos leva à ruína integral desse homem, e, portanto, à própria frustração do intuito do elemento predominante, que, como é parte do homem, cai com a queda dele. Um indivíduo que conduza a sua vida em linhas de uma moral altíssima e pura acabará por ser ultrajado por toda a gente - até pelos indivíduos que, sendo também morais, o são com menos altura e pureza. E o despeito, a amargura, a desilusão, que corroem a natureza moral, serão os resultados da sua experiência. Mas também um indivíduo, que conduza a sua vida em linhas de um embuste constante, acabará, ou na cadeia, onde há pouco que intrujar, ou por se tornar suspeito a todos e por isso já não poder intrujar ninguém.

Fernando Pessoa, in 'Os Preceitos Práticos em Geral e os de Henry Ford em Particular'
 

0 comentários:

Postar um comentário