Pages

14 de jun de 2010

PORQUE ALGUMAS PESSOAS SÃO FALSAS TANTO COM AMIGOS ,PARENTES VIZINHOS ESPOSAS ,ESPOSOS E ATÉ COM ÉLAS PROPRIAS? VCS JA PARARAM PRA PENSAR NESTE ASSUNTO? :DÉA

POSTEI JUNTO DESTE POST ÉSTA IMAGEM POIS ACHO QUE ÉLA IRA RETRATAR MUITO BÉM O ASSUNTO DA MATÉRIA ,UM HOMEM ABRAÇADO A ALGUEM QUE TEM O RSOTO PINTADO DE PALHAÇO ,JUSTAMENTE DANDO A ENTENDER  QUE TDS AQUELES QUE DE ALGUMA MANEIRA TENTAM SER FALSOS SOBRE ALGO OU COM ALGUEM O FAZEM ,USAM MASCARAS COMO OS PALHAÇOS MAS SE ESQUECEM QUE PALHAÇOS SÃO HONÉSTOS E SE PINTAM PRA VIVEREM E TB FAZEREM AS PESSOAS RIREM E A CADA VZS MAIS SE TORNAREM AMIGOS . E NÃO É ISTO QUE OBSERVO NESTE MUNDINHO DE HJ . :DÉA.......
Pensamento/Reflexão

Sobre o Falso
Somos falsos de maneiras diferentes. Há homens falsos que querem parecer sempre o que não são. Outros há de melhor fé, que nasceram falsos, se enganam a si próprios o nunca vêem as coisas tal como são. Há alguns cujo espírito é estreito e o gosto falso. Outros têm o espírito falso, mas alguma correcção no gosto. E ainda há outros que não têm nada de falso, nem no gosto nem no espírito. Estes são muito raros, já que, em geral, não há quase ninguém que não tenha alguma falsidade algures, no espírito ou no gosto.
O que torna essa falsidade tão universal, é que as nossas qualidades são incertas e confusas e a nossa visão também: não vemos as coisas tal como são, avaliamo-las aquém ou além do que elas valem e não as relacionamos connosco da forma que lhes convém e que convém ao nosso estado e às nossas qualidades. Esse erro de cálculo traz consigo um número infinito de falsidades no gosto e no espírito: o nosso amor-próprio lisonjeia-se como tudo que se nos apresenta sob a aparência de bem; mas como há várias formas de bem que sensibilizam a nossa vaidade ou o nosso temperamento, seguimo-las muitas vezes por hábito ou por comodidade; seguimo-las porque os outros as seguem, sem considerar que um mesmo sentimento não deve ser igualmente adoptado por toda a espécie de pessoas, e que devemos apegar-nos a ele, mais ou menos profundamente, consoante convém, mais ou menos, àqueles que o seguem.

Em geral, receamos ainda mais mostrar-nos falsos pelo gosto do que pelo espírito. As pessoas de bem devem aprovar sem prevenções o que merece ser aprovado, seguir o que merece se seguido e não se melindrar com nada. Mas nisto é necessário um grande equilíbrio e uma grande justeza; é necessário saber discernir o que é bom em geral e o que nos é próprio, e seguir então a inclinação natural que nos leva ao encontro das coisas que nos agradam. Se os homens se contentassem em ser grandes pelo seu talento e pelo cumprimento dos seus deveres, não haveria nada de falso no seu gosto nem na sua conduta; mostrar-se-iam tal qual são; julgariam as coisas com a inteligência e a elas se apegariam pela razão; haveria equilíbrio nos seus pontos de vista e nos seus sentimentos; o seu gosto seria verdadeiro, viria de si mesmos, não dos outros, e segui-lo-iam por opção, não por costume ou por acaso.
Se somos falsos ao aprovar o que não deve ser aprovado, não o somos menos, ao pretender fazermo-nos valer com qualidades que são boas, mas que nos não convêm: um magistrado é falso quando se gaba de ser valente, embora possa ser ousado em determinadas situações; deve aparentar firmeza e segurança durante uma sedição que lhe compete acalmar, sem recear ser falso, mas tornar-se-ia falso e ridículo se se batesse em duelo. Uma mulher pode gostar de ciências, mas nem todas lhe convêm; obstinar-se em estudar algumas nunca lhe convém e é sempre falso.
É necessário que a razão e o bom senso saibam dar o justo valor às coisas e que elas determinem o nosso gosto a dar-lhes o lugar que merecem e que nos convém dar-lhes; mas quase todos os homens se enganam sobre esse valor e essa importância e há sempre falsidade nessa avaliação. 

0 comentários:

Postar um comentário