Pages

21 de nov de 2009

AS MINHAS SINAS :


Sina Menor
 
 
Na palma da minha mão
Diz-me a cigana vidente
Ver nas linhas traçadas
Fatalidades pendentes
 
Conta-me não ver o amor
Nem sinais de felicidade
Confessa até ter temor
De me revelar a verdade
 
Lembra-se ter ouvido uma lenda
Remontando à antiguidade
Da memória dos tempos oriunda
Narrada na comunidade
 
Relatavam as velhas ciganas
Nos serões do acampamento
Inflamadas pelo crepitar das chamas
Em noites de frio e de vento
 
Que um ginete galego
Errava p'las aldeias serranas
Dia e noite sem sossego
Demandando amor e fama
 
Desencantado de procurar
Chorou a juventude esbanjada
Até no seu rosto se sulcar
Um rio de mágoas abafadas
 
Trotou por montes e vales
Pisou a fronteira e partiu
Para afogar os seus males
Junto ao pequeno rio dormiu
 
Diz a lenda talvez incerta
Que o sol o foi encontrar
Com a palma da mão aberta
E nela uma flor a germinar
 
Animado por tal ventura
Decidiu junto ao rio ficar
Convencido de que a fortuna
Acabara de o bafejar
 
Desperta do transe a cigana
Diz em mim ver outra sina
Mais sombria e mais profana
Pouco risonha e franzina
 
Suspirando à’rrematar
Sorri, de sorriso maroto
Aconselhando-me para não me cansar
Que corra sempre por gosto.

0 comentários:

Postar um comentário