Pages

29 de nov de 2009

O CANTO E A DESPEDIDA:

O Canto e a Despedida
 
Posso não deixar saudades
Nem a voz a recordar
Posso partir sem um aceno
E sem para trás me voltar.
Que não me guardem rancores
Pelas promessas em falta
O meu destino é igual
A uma vela rasgada
Pelo furor do vendaval
Numa qualquer tempestade.
Podem apagar-me da ideia
Fazer de conta que nunca existi
Cortar-me pelas raízes
Para que seja mais certo
O esquecimento de mim.

 
Podem negar que fui verso
De um poema cantado
A duas vozes na tarde
Em uníssono na madrugada.
Hoje parto calado
No silêncio da alvorada
Levo comigo a semente

Ainda não germinada
E trago no peito a esperança
De uma colheita atardada.AUTOR PELO MENOS PRA MIM DESCONHECIDO ,NÃO HAVIA NOMES

0 comentários:

Postar um comentário